17.1.07

Saudade

Certa manhã acordo e devo voltar para casa. Devo voltar sem ele. Como? Ele que viveu os mais tristes e mais felizes dias comigo;ele que acordava me dando alegria de café da manhã;ele que me enchia quando por dentro eu era vácuo.Ele que, criança,passeamos juntos, dormimos juntos, acordamos juntos,fomos à igreja;e depois, maiores, bebemos juntos, fumamos juntos, ressacamos juntos, brigamos e brindamos.Viajamos, rimos e lamentamos o mundo. Pois é, meu irmão, metade de minha alma, amor maior do mundo.Sabê-lo bem me amanhece, sabê-lo longe me anuvia.Saber que, hoje, nossos passos pisam terras diferentes: Eu Paraíba,Você Bahia.Lembrar as gargalhadas e as irritações, lembrar quando um segurava a onda do outro , em momentos de não suportar a dor de existir, a tragédia da vida sob o jugo do capital.Porra, Romani, parece que a possibilidade de vivermos longe por um longo tempo me deixou de banzo. Será que vou escrever uns blues,maninho?
Ao mesmo tempo, percebi que era necessário caminhar com as próprias pernas, que não era saudável uma dependência, que eu não devia me encostar em ninguém para continuar a caminhada.Só depois que vi você ficar percebi como éramos simbiontes. Querido,alegre,corajoso irmão. Que seja luz a tua vida, que seja doce(Aqui um certo cuidado!!)Que seja feliz.Por aqui vou tentando.Sempre, todo dia,lembrando do nosso amor e mandando bons pensamentos em sua direção!Quando eu morrer pode escrever como epitáfio: foi poeta e conheceu o amor!

1 comentário:

RCarvalho disse...

Poww maninha , foi um dos raros momentos de lucidez poetica que tive , de fato , vc conseguiu no maximo q as palavras podem expressar um sentimento , aquilo que vc deve ta sentindo qdo na separacao de Romani . Queria eu ter tido ao menos um com tamanha simbiose , cumplicidade e amor , mas a gente vai vivendo como se pode , nem sempre como se quer . UM beijo grande , te amo muito mais que eu possa expressar e vc possar pensar .